Compaixão


Texto bíblico: Salmos 25: 1 a 22.

A ti, SENHOR, elevo a minha alma. Deus meu, em ti confio; não seja eu envergonhado, nem exultem sobre mim os meus inimigos. Com efeito, dos que em ti esperam, ninguém será envergonhado; envergonhados serão os que, sem causa, procedem traiçoeiramente. Faze-me, Senhor, conhecer os teus caminhos, ensina-me as tuas veredas, e ensina-me, pois tu és o Deus da minha salvação, em quem eu espero todo o dia.


Lembra-te, Senhor, das tuas misericórdias e das tuas bondades, que são desde a eternidade. Não te lembres dos meus pecados da mocidade, nem das minhas transgressões.
Lembra-te de mim, segundo a tua misericórdia, por causa da tua bondade, ó Senhor.  Bom e reto é o Senhor, por isso, aponta o caminho aos pecadores.  Guia os humildes na justiça e ensina aos mansos o seu caminho. Todas as veredas do Senhor são misericórdia e verdade para os que guardam a sua aliança e os seus testemunhos. Por causa do teu nome, Senhor, perdoa a minha iniqüidade, que é grande. Ao homem que teme ao Senhor, ele o instruirá no caminho que deve escolher. Na prosperidade repousará a sua alma, e a sua descendência herdará a terra.


A intimidade do Senhor é para os que o temem, aos quais ele dará a conhecer a sua aliança. Os meus olhos se elevam continuamente ao Senhor, pois ele me tirará os pés do laço. Volta-te para mim e tem compaixão, porque estou sozinho e aflito. Alivia-me as tribulações do coração; tira-me das minhas angústias. Considera as minhas aflições e o meu sofrimento e perdoa todos os meus pecados. Considera os meus inimigos, pois são muitos e me abominam com ódio cruel. Guarda-me a alma e livra-me; não seja eu envergonhado, pois em ti me refugio.
Preservem-me a sinceridade e a retidão, porque em ti espero.
Ó Deus, redime a Israel de todas as suas tribulações”.

O que é compaixão?
Comiseração, condolência, misericórdia, ternura, piedade, meiguice, pezar, etc.

O apóstolo Paulo escrevendo aos Romanos fez uma súplica para os que estavam dispostos a ter uma nova vida com Deus. Ele disse: “Rogo-vos pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional”.
Pela compaixão, pela misericórdia, pela ternura de Deus podemos ser totalmente transformados e, pela graça divina deixamos as práticas antigas e pecaminosas e, passamos a agir racionalmente.
Quando estamos conformados com as práticas mundanas não podemos experimentar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. O salmista Davi suplicou pelo auxilio divino. Ele confiava em Deus. Ele reconhecia as suas fraquezas e os seus pecados. Ele não queria que os seus inimigos se regozijassem com as suas fraquezas e derrotas.


Davi pediu socorro ao Poderoso, ao Deus Verdadeiro, ao Criador de todas as coisas. Davi não confiava nas suas próprias forças, no seu poder político, nas suas riquezas, mas, ele depositava a sua confiança no Deus que pela sua bondade, suas misericórdias, sua compaixão pode tirar o homem do laço do inimigo, da morte, do pecado, das trevas. Ele pode levantar o morto, curar os enfermos, dar vista aos cegos, porque a sua misericórdia não tem fim. Ele é capaz de aliviar as tribulações do nosso coração e arrancar as angústias da nossa alma. Nós precisamos conhecer os caminhos e as veredas de Deus. Jesus declarou ao mundo: ser Ele, o Caminho, a Verdade e da Vida. O caminho não é a filosofia nem a ciência. A verdade não está no gnosticismo, no relativismo, no construtivismo, no humanismo, mas, a Verdade é o próprio Cristo. Tudo se concentra Nele. O homem não é um ser primordial pela sua competência. Nem tão pouco pelo acumulo de conhecimento, as verdades espirituais, as afirmações bíblicas não estão sujeitas ao Relativismo. A vida não é o pulsar do sangue nas veias, não pode ser regadas pelo conhecimento do homem, nem tão pouco existir pelo poder da ciência. Jesus deixou bem claro: Eu sou caminho, a verdade e a vida, e, por esta causa pela misericórdia de Deus nós também podemos andar no Caminho da Verdade e da Vida.

Nós conhecemos o amor remidor que misericordiosamente nos resgatou das trevas para a luz. O cego de Jericó quando ouviu o tropel da multidão que passava perguntou: o que está acontecendo, e, anunciaram-lhe: é Jesus, o Nazareno. Aquele homem cego, miserável, sofredor clamou: Jesus, Filho de Davi, tem compaixão de mim! O povo pediu que ele se calasse, mas, ele gritou mais alto: Filho de Davi, tem misericórdia de mim... Tem piedade, Senhor. Tira-me da escuridão e deixa-me contemplar tua glória.


Jesus parou, pediu que lhe trouxessem o cego. Perguntou: Que queres que eu te faça? Quero ver Senhor...! Lhe disse o cego e, Jesus lhe disse: Recupera a tua vista, a tua fé te salvou. Jesus continuou passando entre a multidão. Ele quer ouvir a nossa súplica. Ele quer saber qual é a nossa necessidade, porque Ele é compassivo e misericordioso. “O justo se compadece e dá”. Aqueles que adquirem a natureza de Cristo também se tornam piedosos, compassivos, misericordiosos, ternos, amorosos. Jesus teve compaixão da mulher adúltera e a perdoou.
Qual será a nossa situação neste dia?
Será que estamos sendo envergonhados, traídos, estamos em pecado? Será que tememos realmente ao Senhor e, estamos andando nos seus caminhos?


Estamos sozinhos e aflitos?
Estamos endividados?
Temos inimigos?

Será que estamos passando pelo fogo das provações?
Este é o momento de levantarmos a nossa súplica ao Senhor dos céus e da terra. No salmo 41 verso 4, Davi suplica: “Compadece-te de mim, Senhor, sara a minh’alma, porque pequei contra ti”.
A misericórdia de Deus é a causa de não sermos consumidos. Nós podemos também ser misericordiosos e piedosos, andando com Jesus, seguindo os seus ensinamentos e buscando com fé atingir a maturidade espiritual.  “Sede santos como é santo o vosso Pai que está nos céus”. “Buscai a paz com todos e a santificação sem a qual ninguém verá o Senhor”. O santo é misericordioso, é piedoso, é compassivo. Conhece as veredas do Senhor, recebe o perdão divino, é instruído no caminho que deve seguir. Este é o nosso apelo: que todos estejam em submissão ao Senhor buscando adquirir a natureza de Cristo. Jesus alimentou as multidões, lavou os pés dos discípulos, perdoou a mulher adúltera, ressuscitou Lazaro, visitou a casa de Zaqueu, comeu com os pecadores, carregou sobre si as nossas culpas e agora está assentado à direita do Pai, intercedendo por nós, com amor e compaixão.
Que possamos alcançar a natureza do homem de Nazaré.

Prª Esmeralda Campelo

 

O REINO QUE NÃO PODE SER ABALADO


Texto bíblico: Hebreus 1:1 a 14.
1. Antigamente, por meio dos profetas, Deus falou muitas vezes e de muitas maneiras aos nossos antepassados, 2 mas nestes últimos tempos ele nos falou por meio do seu Filho. Foi ele quem Deus escolheu para possuir todas as coisas e foi por meio dele que Deus criou o Universo.3 O Filho brilha com o brilho da glória de Deus e é a perfeita semelhança do próprio Deus. Ele sustenta o Universo com a sua palavra poderosa. E, depois de ter purificado os seres humanos dos seus pecados, sentou-se no céu, do lado direito de Deus, o Todo-Poderoso.4 Assim Deus fez com que o Filho fosse superior aos anjos e lhe deu um nome que é superior ao nome deles.5 Pois Deus nunca disse a nenhum dos seus anjos: “Você é o meu Filho; hoje eu me tornei o seu Pai.” E também não disse a respeito de nenhum anjo: “Eu serei o Pai dele, e ele será o meu Filho.”6 Porém, quando Deus enviou ao mundo o seu primeiro Filho, ele disse: “Que todos os anjos de Deus o adorem.” 7 A respeito dos anjos Deus disse: “Deus faz com que os seus anjos se tornem ventos e os seus servidores, chamas de fogo.” 8 Mas a respeito do Filho ele disse: “O teu Reino, ó Deus, vai durar para todo o sempre. Tu governarás o teu povo com justiça.9 Tu amas o bem e odeias o mal. Foi por isso que Deus, o teu Deus, te escolheu e te deu a alegria de receber uma honra muito maior do que a dos teus companheiros.” 10 E as Escrituras também dizem: “Tu, Senhor, no começo criaste a terra e, com as tuas próprias mãos, fizeste os céus.11 A terra e o céu vão acabar, mas tu viverás para sempre. Eles ficarão velhos como roupa; 12 tu os dobrarás como se dobra um casaco, e serão trocados como se troca de roupa. Mas tu és sempre o mesmo, e a tua vida não tem fim.”  13 Deus nunca disse a nenhum dos seus anjos: “Sente-se do meu lado direito, até que eu ponha os seus inimigos como estrado debaixo dos seus pés.”  14 Então, o que são os anjos? Todos eles são espíritos que servem a Deus, os quais ele envia para ajudar os que vão receber a salvação.

 

A carta foi enviada aos judeus e fala da relação entre Cristo e o sacerdócio levítico e os sacrifícios do templo. Cita o Velho Testamento e se dirige aos cristãos judeus da Palestina especialmente em Jerusalém. Tudo indica ter sido escrita pelo apóstolo Paulo. Esta carta foi escrita antes da destruição de Jerusalém, ocorrida 70 anos depois de Cristo. O assunto principal da carta é a Divindade de Jesus Cristo, a sua glória e o seu poder sobre todas as nações. Ele é o Criador, o Preservador e Herdeiro do Universo. Jesus é comparado aos anjos. Pois, a qual dos anjos disse jamais: Tu és o meu Filho, eu hoje te gerei. E, todos os anjos de Deus o adorem. Cristo veio ao mundo para demonstrar a glória do Onipotente e ensinar ao homem que é possível adquirir o caráter de Cristo e ser semelhante a Ele quando nos submetemos ao tratamento do Espírito Santo nas nossas vidas. Ao homem e não aos anjos será dado o direito de dominar o mundo futuro. Haverá transformação em toda a terra para que o Reino de Cristo seja firmado e estabelecido. Ele é o Rei de toda a terra. O menino que os magos procuraram guiados pela estrela, nasceu em Belém, viveu entre os homens, foi humilhado, crucificado mas, ressuscitou dentre os mortos e está assentado à direita do Pai, aguardando o momento de arrebatar a sua igreja e implantar na terra o reino que jamais será abalado. A carreira do cristão no capítulo 12 de Hebreus é uma metáfora dos jogos gregos, rodeados de grande multidão, e o que incentiva o povo de Deus é manter os olhos no alvo para não perder a carreira.
Paulo disse com autoridade: “Combati o bom combate, acabei a carreira e guardei a fé”.
A igreja de Cristo sofreu terrivelmente no inicio da sua carreira e, certamente sofrerá nos últimos tempos. Duas grandes instituições serão levantadas no final dos tempos. A Igreja de Cristo e a Igreja de Impiedade. Estamos chegando ao final dos tempos e podemos ver claramente como se comportam os participantes do Reino.
Será bem distinto?
Quem somos?
De onde viemos e para onde vamos?
A igreja de Cristo terá as características do seu Rei. Os reflexos da sua glória contemplados no semblante dos seus servos. A Igreja da Impiedade terá os reflexos de vários dominadores. Haverá uma mistura de crenças, doutrinas e costumes. O reino de Cristo não será abalado pelas riquezas do mundo, pelo desenvolvimento da ciência, pela falsa religiosidade porque só há um Deus, um Senhor, um Salvador e a Ele será dada toda honra e toda a glória. Os grupos que se levantam no mundo para uma possível solução econômica e política serão derrubados pelo poder da igreja de Cristo e este reino não terá fim. Enquanto os homens se reúnem na terra com a finalidade de decidir a quem será dado o poder mundial, no reino celestial já estão reunidos no trono de Deus, os exércitos dos anjos e na terra os que não dobram os seus joelhos a Baal também estão preparados para a implantação deste Reino que não será abalado. Porque Jesus é o mesmo para sempre.

O que devemos fazer e esperar deste Reino?

Santificação.
Purificação.
Pregação da Palavra.
Vestimenta da guerra.
- Capacete da Salvação.
- A espada do Espírito.
- O escudo da fé.
- Os pés calçados na preparação do evangelho.

A natureza está anunciando que haverá mudanças radicais na terra.
- Os falsos mestres se levantam e negociam a fé.
- As religiões se misturam.
- O homossexualismo toma força e domínio.
- A figura de Cristo é identificada de forma errada e aparece nos centros de espiritismo, no são Nicolau e outros.
Este é o momento certo para dizer ao mundo que Jesus nasceu com o propósito de salvar a humanidade e Ele virá para reinar eternamente. O Reino de Cristo não será substituído, Satanás será vencido e a paz virá sobre a terra. A carta de Paulo aos Hebreus termina com ternos apelos para o que sigamos a Cristo em todas as circunstâncias da vida, em amor fraternal, bondade, pureza, com oração incessante e fé inabalável em Deus.
A nação judaica foi fundada para trazer ao mundo o Messias, isto está escrito no livro de Malaquias. Assim também a carta aos Hebreus foi escrita como a mensagem final para a mesma nação. Jerusalém caiu nas mãos de vários povos, desapareceu do cenário político, mas ressurgiu e será fortalecida para esperar a segunda vinda do Rei. Muitas nações se voltarão contra Jerusalém, mas, o Senhor virá e lutará por ela. No capítulo 12 de Zacarias está escrito: “Eis que eu farei de Jerusalém um cálice de tontear para todos os povos em redor e também para Judá, durante o sítio contra Jerusalém. Naquele dia, farei de Jerusalém uma pedra pesada para todos os povos”.
O texto diz que o Senhor mesmo lutará por Jerusalém. Serão eliminados da terra os ídolos, os falsos profetas e os enganadores.

Qual é a nossa posição diante de tão grande advertência?

Fazemos parte deste Reino?

Estamos conscientes das verdades bíblias sobre este tempo?

A qual reino você pertence?

 

Mensagem feita pela Prª. Esmeralda Campelo,
na Comunidade Evangélica Betesda na noite de 28/12/2008.

O Abraço da arvore


“O justo florescerá como a palmeira, crescerá como o cedro no
Líbano.”
Salmos 92:12
O louvor é um ato de amor e gratidão. O salmista se coloca
numa posição de inteira meditação, até que a alma se extravasa
em cânticos.
Um instrumento de dez cordas é pobre para exaltar os feitos
do Senhor. O homem brutal não sabe por que a sua mente
obscurecida não lhe permite sentir a beleza de Deus em cada
flor. Grandes e profundos são os pensamentos de Deus. Ao lado
de uma rodovia, sobranceiras sobre um pequenino monte estão
uma árvore e uma palmeira.
Unidas, bebendo da mesma seiva crescem num abraço tão
apertado que se transformam num mesmo tronco. Percebe-se,
ainda as voltas que a árvore fez na palmeira. Ao alto, elas se
separam deixando à vista a individualidade. As folhas da árvore
estão verdes e se alegram com a brisa e com o sol. A palmeira
esguia caminha à frente, na direção do azul desafiando o tempo
e o abraço sufocante da árvore. Aquela identificação no topo
das árvores me fez sentir que estamos ligados ao Senhor por
escolha, um culto racional e inteligente. Um sacrifício vivo, com
determinações precisas. A natureza me fez lembrar do
extraordinário processo remidor de Deus que nos enxertou na
boa Oliveira. “Eu sou a videira verdadeira” disse Jesus.
Amorável convite para que permaneçamos n'Ele. “Se vós
estiverdes em mim, e as minhas palavras estiverem em vós
pedireis tudo o que quiserdes, e vos será feito.”
Estar n'Ele, respirando e vivendo, crescendo na sua vida.
Arraigados em amor. “Porque sem mim nada podeis fazer”.
Como poderá o justo florescer como a palmeira se não estiver
abraçado ao Senhor?
“A vara de si mesma não pode dar fruto, se não estiver na
videira.”
Senhor deixa-me crescer abraçada a Ti, para que eu seja como a
palmeira esguia que floresce ou como o cedro que cresce no
Líbano.

A Vontade do Senhor

Pode ser expressa através da lei estabelecida à instrução dada por Deus a seu povo mostrando o caminho certo. Também a vontade de Deus pode ser expressa pelo sentimento profundo do seu coração que é a salvação de todos os homens, esta é a “perfeita vontade” de Deus.
A soberania de Deus permite que muitas coisas aconteçam, às vezes até contrárias a sua vontade perfeita, o que chamamos de permissividade de Deus.

Descobrindo nas Escrituras o desejo de Deus para as nossas vidas teremos uma vida melhor e mais saudável.
Nos exemplos dos servos de Deus encontramos o ensino profundo para as nossas vidas.
O desejo de Deus é que todos se salvem e que os crentes vivam em perfeito cumprimento da sua lei ou do seu ensino.
Jesus Ensinou aos discípulos a oração modelo e, a petição foi clara: “Seja feita a tua vontade assim na terra como no céu”.
Os anjos, arcanjos, serafins e querubins estão disponíveis a Deus todo tempo em perfeita obediência. A harmonia favorece o cumprimento das ordens, e o resultado é sempre perfeito.
O Espírito Santo nos guia por caminhos planos à vontade de Deus e ao conhecimento pleno para que vivamos com dignidade.

Não apenas conhecer mas cumprir, o desejo de Deus deve ser o propósito de todo aquele que O ama.
Os deslizes e inconseqüências das nossas ações não estão incluídos na permissividade de Deus pois é bem explicita na Palavra a sua vontade com respeito ao procedimento cristão.
O homem foi criado para o louvor da glória de Deus.
O propósito divino é que todos se salvem e possam desfrutar das alegrias do Seu reino, mas, o pecado separou o homem do seu Criador tornando a sua natureza perversa e rebelde.
O homem foi criado para ser feliz saudável e livre. O pecado o aprisionou tornando-o infeliz.
A providência Divina se manifestou na pessoa do seu Filho Amado que realizou integralmente a perfeita vontade de Deus.

“Todavia, ao Senhor agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando a sua alma se puser por expiação do pecado, verá a sua posteridade, prolongará os dias; e o bom prazer do Senhor prosperará na sua mão” Is 53.10.
O sacrifício do calvário foi o meio que Deus escolheu para realizar a sua vontade de salvar o homem perdido.
Por mais desastrosa que seja a situação do homem, Deus o ama e deseja salvá-lo.
O meio de fazer a vontade de Deus é aceitar os seus ensinos e andar nos caminhos traçados por Ele, o que se torna possível na pessoa de Jesus Cristo.

UMA SAUDAÇÃO A 2010

Eu te recebo com o coração ardendo em febre acompanhando a contagem regressiva até a virada do ano. E, como esposa amante, aguardo a volta do Amado de minh’alma.
Chegaste mais cedo do que eu pensava, porque ainda consigo lembrar projetos que foram traçados há oito décadas e hoje tudo parece obsoleto e retrógrado.
Os sinos dobram, os fogos de artifício anunciam a tua chegada, os prognosticadores enfeitam com palavras exóticas o processar dos teus dias, mas, tudo continuam enigmático e cheio de expectativa.
Quem, como eu acompanho o século pesquisando, esmiuçando os acontecimentos te recebe como se fora um sinal de alarde, o toque de clarim para a posição de sentido.
Eu te vejo como o anúncio de alvorada, o romper da madrugada de luz, da manhã sem nuvens que mostrará ao mundo o Sol da justiça.
Apesar da “expectação das coisas que sobrevirão ao mundo, porquanto as virtudes do céu serão abaladas”, eu te recebo com alegria e esperança.
Não me importam as questões políticas, sociais e econômicas que desanimam a qualquer empresário, economista ou um estadista.
Cada página que vira no calendário dos anos é para mim o descortinar de um novo milênio de paz e justiça.
Eu te saúdo 2010, com o coração em chamas, com a mente acelerada e o espírito alimentado de esperança.
Eu te saúdo 2010, com as mãos erguidas para o céu em louvor ao Deus do Universo.
Vem! Acrescentando mais um ano aos meus dias vividos debaixo de proteção divina.
És bem-vindo 2010, apesar da miséria que assola a humanidade, apesar das crises financeiras, das pestes que dizimam as vidas, apesar da angústia das nações, da perplexidade dos povos, és bem-vindo porque anuncias a chegada de um novo ano, que bem poderá ser o tempo propício para a instalação do Reino eterno de Cristo.

LANÇA O TEU PÃO SOBRE AS ÁGUAS
Embora o escritor sagrado tenha feito uma alusão aos
empreendimentos comerciais que eram realizados nas cidades marítimas
portuárias, com perspectivas empreendedoras e diversificação de
negócios, podemos aplicar o texto dentro de uma visão espiritual.
Lançar o pão sobre as águas pode parecer arriscado e sem perspectiva
de retorno, infundado e inconseqüente, porém, tanto no plano
empresarial quanto espiritual é um desafio de fé e coragem. O texto
afirma que “... depois de muitos dias o acharás”.
O verso dois incentiva o investimento quando declara: “reparte com
sete, e ainda com oito, porque não sabes que mal sobrevirá à terra”.
A diversificação dos investimentos espirituais pode trazer bons
resultados se fizermos boa aplicação dos talentos, como está escrito:
“depois de muitos dias o acharás”
No que diz respeito a projetos espirituais, contamos com a bênção do
Senhor Soberano.
Investir em vidas talvez seja a melhor aplicação dos nossos bens,
talentos e tempo.
Lançar o pão sobre as águas pode bem ser a Palavra nos corações
que, aquecido pelo Santo Espírito, poderá produzir frutos para a vida
eterna.
A colheita certamente é do Senhor e dono da lavoura, mas, nós
teremos a participação lucrativa no empreendimento dependendo da
aplicação que fizermos do nosso pão.
As águas também têm o significado sugestivo de povos e multidões.
Lança o teu pão sobre as multidões porque depois de muitos dias o
acharás.
A mensagem descerá certamente sobre as águas com rapidez e
fertilidade. Muitos se alimentarão dela e serão incentivados a participar
do investimento empreendedor com resultado garantido.
“Reparte com sete e ainda com oito” é uma advertência orientadora
apontando sinais de sucesso, visto que devemos preparar e equipar
pessoas para o melhor desempenho da obra que nos foi confiada.
Repartir oportunidades, conhecimento, bens, responsabilidade é o
caminho certo para uma colheita bem sucedida.
Jesus andou fazendo o bem. Ele transmitiu para os discípulos a
mensagem salvadora e os capacitou para dar continuidade à obra.
Quem ajunta para si próprio não tem uma visão empresarial vitoriosa.
“Lança o teu pão sobre as águas porque depois de muitos dias o
acharás”, quem sabe educando uma criança pobre, que bem pode ser um
manancial de águas cristalinas ou alimentando outras tantas que,
desnutridas, vagueiam pelas ruas e praças.
Lança o teu pão consciente que te foi dado por Deus com o propósito
de um bom investimento.
Porque este é o tempo de amar

Tudo tem o seu tempo determinado.
E, há tempo para todo o propósito debaixo do céu.
Há tempo de nascer e tempo de morrer.
Tempo de plantar, e tempo de colher.
Tempo de chorar e de sorrir.
Este é o meu tempo de amar.
Porque as vides estão em flor.
As flores aparecem na terra,
Embora muitos não possam nem entender,
Que o grito de dor,
Anuncia o nascimento de um ser ou de uma flor,
Que os pés descalços na lama da rua,
São flores brotando antes ou depois da primavera
Este é o meu tempo de amar,
Porque a chama da alegria se apagou
Na face do menino de rua,
E, a dor se fez companheira do vizinho ao lado
É o meu tempo de amar para fazer renascer,
O sonho que aos poucos vai morrendo
A esperança que agora é como um fio de fumaça
É o meu tempo de amar a quem não sabe como,
Não tem tempo, não tem jeito, não tem graça
É o meu tempo de amar
A quem passa por mim debulhado em pranto 
Ansioso, carente, que bem pode florescer
E, em lançando a semente a planta vai nascer.
É o meu tempo de amar
Os olhos verdes banhados de esperança
De quem não pôde ser feliz quando criança
De tocar as mãos macias que ainda estão vazias
E, quando tudo florir, tudo sorrir.
E, eu puder enxugar o pranto, trazer de volta o encanto.
E a beleza da flor.
É o meu tempo de ir.
Para o lugar onde a luz é o Cordeiro
Onde habita o que é o Último e o Primeiro.
Onde será sempre e em qualquer lugar.
Tempo de amar.
Porque tudo vai passar,
A fé, a esperança, o sonho, a dor
    E, ficará para sempre o amor.

 

 

 
Não foi você matéria, que eu amei

Não foi você matéria, que eu amei,
Foi você, alma.
Você, que às vezes brilhava através das janelas verdes.
Você, que através das mãos brancas e macias.
E aos dedos longos e suaves,
Pincelava flores na tela do meu rosto
Você que exalava um perfume suave
Como as flores da floresta
Não foi você matéria, que eu amei.
Mas, foi você, alma que sonhava.
Os sonhos róseos e altaneiros
Você alma, que se manifestava.
Através de gotas brilhantes
A deslizar na face meiga
Às vezes, eu quis abraçar a matéria.
Mas, a força da alma.
Fez-me entender que o intocável
É eterno, por isso foi a você.
Alma, que eu amei.
E, assim quando as emoções se confundiam.
E a confusão das cores
Era como o indecifrável das alegrias e dores
Eu pude transferir para a minhalma
O mel dos teus lábios,
A força do teu corpo,
O fogo dos teus olhos,
E restaram a suavidade e a quietude
Do que é eterno

 

 
O Perdão

É antes de tudo um ato de amor.
Feito de lágrimas, dor e determinação
não é sentimento, nem tão pouco emoção.
É um processo...
Dia após dia, tantas vezes quanto necessário for.

Nada pede em troca.
Sem cobranças, sem disfarce
ou interesse qualquer

Perdoar é lembrar do fato sem sofrer.
Sem reservas na alma
sempre pronto a ceder.
Como o Senhor Jesus.

Que andou entre os homens
sem qualquer pretensão,
sendo Deus se humilhou
e na cruz proclamou seu eterno perdão,
perdoar é sorrir em soluços de dor
É prever a alvorada
Em meio à escuridão.
É ver o sol além da tempestade
é sentir paz, prazer, felicidade,
por aquilo que virá no amanhecer.

Ser perdoado também é tornar a viver
é voltar a sentir a ternura maior
que só Deus pode dar
porque pode entender
a grandeza do amor.
Setenta vezes sete é a sugestão do Senhor,
ao pai, ao amigo, à mulher, ao irmão
tantas vezes quanto necessário for,
contanto que não se esvazie a taça do amor.
Que o próprio Deus pode encher.
Perdoar ou receber a graça do perdão
é renovar, é crescer é realmente ser Cristão.

 
Sonhos... sonhos..., e sonhos.

Deus criou o homem à sua imagem e semelhança, capacitando-o para grandes realizações. Os sonhos fazem parte da vida humana.
Um poeta disse: “Sonhar é viver”, o que é realmente uma grande verdade. Mas, precisamos discernir os nossos sonhos, sejam eles projetos da alma, visões ou resultantes de mau funcionamento digestivo.
Os sonhos proféticos ou revelações de Deus são caracterizados pela fidelidade ou cumprimento.
A Palavra declara que há sonhos confusos e até mentirosos de alguns que se consideram profetas e não são. Vejamos o texto de Jeremias 23.25: “Tenho ouvido o que dizem aqueles profetas, profetizando mentiras em meu nome, dizendo sonhei! sonhei!” e no verso 27 o Senhor diz: “Os quais cuidam que farão que o meu povo se esqueça do meu nome, pelos sonhos que cada um conta ao seu companheiro”...
Fica bem claro que nós cremos nas revelações de Deus através de sonhos, mas é saudável para a nossa vida espiritual saber que não devemos ser guiados por sonhos e sim pela palavra viva e eficaz.
Uma característica do sonho revelador ou profético é a maneira como é passada para o servo de Deus. Primeiramente, é claro, sem suposições ou dúvidas, é uma mensagem objetiva; segundo, geralmente é repetido uma ou mais vezes dependendo da pressa que o Senhor tenha em revelar a mensagem; terceiro, apesar de ser um enigma facilmente será entendido quando se ajusta perfeitamente com a verdade.
A Bíblia diz que nos últimos dias velhos e jovens teriam visões e sonhos, mas é claro que isto não justifica a avalanche de sonhos que invade a mente dos cristãos.
Os místicos têm os livros de interpretação dos sonhos que já estão sendo consultados por pessoas que se dizem tementes a Deus. Não é bom que façamos tais coisas e, muito menos que aceitemos a direção de pessoas estranhas para orientação de nossas vidas.
Outra coisa que é bom lembrar. Deus revela a seus filhos a mensagem que precisam ouvir. Considere o que aconteceu a José. Ele sonhou com o que dizia respeito a sua vida, a vida de sua família e ao destino do povo de Deus.
Faraó sonhou com o futuro do seu povo. Nabucodonosor viu em sonhos a estátua que representava o seu império e os reinos seguintes até o final dos tempos. A mulher de Pilatos teve em sonhos a revelação do envolvimento do governador com a pessoa de Jesus.
Nem todo sonho tem uma mensagem profética, ou de revelação. É saudável pedir a Deus a confirmação dos sonhos antes de contá-lo a alguém.
Dificilmente vejo alguém contar um sonho referente à sua pessoa, sempre a mensagem tem um recado dirigido.
Não é pecado sonhar, o pecado é interpretar erroneamente os sonhos. É depender deles para andar, agir, trabalhar e até decidir o casamento.
A igreja de um modo geral está em crise. A palavra está sendo substituída por milagres, eventos, sonhos e profecias falsas.
Vamos fazer como os bereanos que confirmavam tudo nas escrituras. (Atos 17.11).
Você pode sonhar meu irmão, e que sejam os sonhos de Deus os projetos de Deus aquilo que certamente pode florescer no tempo próprio.
Você também pode sonhar sonhos proféticos ou de revelações, mas não os confunda com fatos referentes às suas reservas do inconsciente, das lembranças amargas, traumas, raízes de amargura que às vezes se refletem em pessoas que ocupam lideranças na sua vida.
Desde a criação do homem até Jesus, mais ou menos 4 mil anos, a Bíblia registra mais ou menos 15 sonhos, Poucos, não?! Eclesiastes 5.7, diz. Porque, como na multidão dos sonhos há vaidades, assim também nas muitas palavras; mas tu, teme a Deus.
Pra. Esmeralda Campelo

 
Página Inicial Ir ao topo
© 2009-2013 - PASTORA ESMERALDA CAMPELO VILELA - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - Desenvolvido por